O CARTÃO QSL

Uma das mais sagradas instituições no mundo radioamadorístico é a troca de cartões QSL para confirmar os QSO realizados. 
Pelo menos o primeiro QSO deve ser confirmado com um cartão QSL. Situações especiais como nova faixa, modo ou local de operação podem merecer a remessa de outro QSL
No entanto, um QSL deve obedecer a critérios, nem sempre conhecidos de todos os radioamadores, o que NOS motiva escrever as orientações a seguir. 
A primeira coisa que se deve cuidar em um QSL é que ele tenha todos os itens obrigatórios para que seja válido como confirmação de um QSO e possa ser aproveitado para diplomas e classificação de estações em
competições como o DXCC:


a) indicativo da estação “dona do QSL”, sempre em destaque

b) dados básicos do QSO

  • indicativo da estação trabalhada, preferencialmente em destaque
  • data do QSO
  • hora do QSO, preferencialmente UTC (ou indicação do fuso)
  • freqüência (indicando MHz ou banda)
  • modo de operação
  • reportagem RST
Todos esses dados devem estar anotados sem borrões ou rasuras, que invalidam o QSL. Se errou, rasgue o QSL e faça outro.
Outros dados são interessantes de se fazerem constar, apesar de não obrigatórios, seja para completar informação ou facilitar a utilização, por parte de quem recebe o QSL, para diplomas e certificados:
  • nome do titular do indicativo
  • endereço postal do titular e/ou indicação para remessa de QSL
  • Grid Locator; coordenadas geográficas
  • zonas ITU e CQ
  • endereço de e-mail do titular
  • validade para algum diploma
  • local para indicativo do QSL manager da estação trabalhada
Mas veja, isso é para um QSL normal. Se vai ser um QSL de expedição, de ativação de ilha, farol ou forte, algumas das informações opcionais tornam-se obrigatórias, dependendo de qual entidade vai reconhecer
sua operação, por exemplo:
  • operação em ilhas: IOTA e AIE: no QSL deve ter o nome da ilha e o código da ilha em cada entidade
  • operação em faróis: ARLHS, WLOTA e AEI: nome do farol, código do farol e, se em ilha, nome e código da ilha
  • operação em fortificações: AEI: código da fortaleza
Agora você vai cuidar da “arte” de seu QSL. Nesse ponto entra toda sua criatividade, mas procure evitar fotos ou desenhos que provoquem qualquer constrangimento a quem vai recebê-lo. Não use caricaturas que denotem qualquer preconceito nem fotos de pessoas nuas ou com pouca roupa (lembre-se
que seu QSL vai rodar o mundo e os costumes de outros povos são diferentes dos nossos). Se pertence a alguma entidade radioamadorística, coloque seu logotipo no QSL, mas antes certifique-se que não há restrições quanto ao seu uso.
Antes de mandar imprimir, faça uma prova e veja se texto e fotos não encobrem um aos outros e se o texto fica legível, considerando tamanho da fonte e cor. 
As dimensões recomendadas para um QSL são: largura 140 mm e altura 90 mm. O formato postal já foi muito utilizado, mas encontra-se em desuso. 
A gramatura do papel do QSL deve ser de 250 g/m2. QSL em papéis muito finos danificam-se facilmente no manuseio dos bureaux e no arquivo dos destinatários. Os confeccionados em papel mais grosso tornam mais cara a remessa, tanto via direta como via bureau, que também se utiliza dos correios para envio dos cartões. 
É essencial que você envie os QSL. Nada de somente retribuir QSL recebido.
Tome a iniciativa de enviar os seus, independentemente de receber o do colega. 

Não se esqueça de enviar um exemplar de seu QSL para o Arquivo Histórico do Radioamador Brasileiro (www.radioamador.org.br

73
Orlando Perez Filho .·. PT2OP
Diretor de Radioamadorismo
LABRE Nacional

POSTAGENS POPUPARES

POSIÇÕES APRS - APRS.FI

.

Resumo para o "Solar-Terrestrial Data"

Variações no campo magnético da Terra são medidos por magnetômetros.
Dois índices são calculados:
Índice K - Faixa de 0 a 9, 0 é calma
Índice A - Usa a média das 8 leituras do índice K, Faixa de 0-400
Geralmente um Índice A igual ou inferior a 15 ou um índice K igual ou inferior a 3 é o melhor para a propagação HF.
Elevados índices A e K reduzem as MUFs, mas ocasionalmente MUFs em baixas latitudes podem aumentar quando os índices A e K são elevados.
Veja no quadro acima, tanto os dados relativos a data de hoje (UTC), quanto a faixa de variação dos índices K e A:

ESTAÇÕES QRP

Loading...

VIDEOS SOBRE APRS

Loading...

Total de visualizações de página

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Gostou? Divulgue o GRAJU!